sexta-feira, setembro 18, 2015

Traição.



Não és digno das palavras que finges sentir e nessa ausência de fôlegos, tentas arrastar-me para o fundo contigo. Porra, custava muito que as tuas tentativas fossem minhas? Que a saudade que pretendes ser fosse a definição do meu nome? Que os traços do teu rosto se perdessem por entre as minhas mãos enquanto eu me perdia no teu olhar? Sempre disseste ser tanto e nos suspiros transpirados pelos abraços que depositaste em mim, fizeste-me acreditar que eu era importante como tu para mim. Enquanto distraí-me por alguns segundos, com a certeza que passada a mágoa, procurarias apenas o meu conforto, descansaste os desabafos na traição que o meu coração sentiu por todas as vezes que não foste capaz de amar-me. Estou exausta apenas por tentar combater diariamente esta dor que me sufoca, que me aperta o peito e que me impede de extravasar o que tanto me atormenta, precisamente porque roubaste de mim quem ouvia os meus lamentos. Sempre julguei-me extremamente forte e incapaz de sucumbir ás dores que me dilaceraram o coração durante os anos, mas saber que as tuas palavras mudaram de direcção como se fossem a coisa mais banal e saber por que caminho escolheste ir, talvez seja mais do que alguma vez fui capaz de aguentar. Perdi tudo o que me dava coragem para esperar por ti, desprendi-me de quem acreditava em nós dois, falta a audácia que espero, em breve, para despedir-me do amor que sempre senti por ti e do carinho nutrido por quem sempre esteve lá por e para mim...

1 comentário:

Sayuri Okamoto disse...

esse alguém não está mais, é porque nunca amou de verdade e até que encontre aquela que fará dele, o que chamamos de fiel, ele fará muitos corações infelizes... triste realidade...

abraços vc escreve com perfeição e sentimento ♥