terça-feira, janeiro 28, 2020

Irremediavelmente.

Confiei em ti contra todas as probabilidades. Deixei o meu amâgo desprotegido quando todos sinais indicavam-me que não o fizesse. Fui um livro aberto nas tuas mãos e permiti que me folheasses as páginas quando a tinta não estava ainda seca. Tentei resistir demasiadas vezes mas as memórias penetravam-me os sentidos como em todos os anos em que permiti que me iludisses. Sempre fui alguém que não se deixa abraçar pelos braços da multidão, mas as tuas sombras sempre souberam como se enredar no meu coração, abrindo as suas portas como se eu não pudesse de forma alguma impedir. O meu grande dilema sempre foi seres chave, fechadura e machado que dilacera as minhas veias enquanto eu impotentemente sinto a dor que me destroí. Estejas perto ou longe, nas sombras ou escondido em plena luz, este sentir continua incessantemente á tua procura, irremediavelmente.

quinta-feira, maio 30, 2019

You left just like everyone else.




Disseste que nunca irias partir, que eu era o teu para sempre e fizeste-me acreditar que era verdade. No entanto, vi-te partir mais vezes do que fui capaz de recompor-me e sempre sem perceber os motivos que te faziam partir. Vi mil nomes passarem diante dos meus olhos, senti a felicidade espelhada nas almas que não eram a minha, agarrei-me ao silêncio quando sabia ser-te impossível mendigares-me algumas palavras. Sabes, ás vezes parece que o nosso problema foi sempre o tempo e a ausência da sua sincronização. Quando o teu coração almejava o meu, o teu desviava-se para outro. Quando eu finalmente ganhava coragem para enredar-me em ti, já há muito que tinhas voltado a partir. Sempre dissemos meias palavras um ao outro e arranjámos partes de nós em outros para compensarmos a falta que nos fazíamos. E nunca fomos capazes de nos esquecermos um do outro por mais almas que puxassem por nós em direcções completamente opostas. Somos a definição de destino, tens noção? Mesmo sem nos compreendermos por inteiro, deixámos sempre sangue, suor e lágrimas no corpo um do outro para que os nossos amâgos soubessem encontrar o caminho de volta. Porque um amor assim não se esquece, não se nega, muito menos morre assim...