sábado, agosto 08, 2020

A saudade que se colou em mim.

 


Queria que me explicasses o que faço com a saudade que se colou em mim e devora-me lentamente por dentro. Habituei-me contra a minha vontade ás palavras que me entregavas por serem o que me aquecia o amâgo. Sonhar com algo inantígivel tem consequências nefastas, as que agora sinto na pele. Não consigo dormir sem que o teu semblante me assombre em recordações e a angústia de não te ter por perto não torne o meu peito apertado na escuridão da noite. Refugio-me ao fim de cada dia nas juras que me fizeste e que guardo como se fossem pedras preciosas. Sei que dificilmente vou voltar a ouvir-te proferir tais promessas de ficares comigo para sempre ou de sentires que fomos feitos um para o outro. O meu coração sempre se escondeu por detrás de um espesso escudo para evitar ser ludibriado por alguém como tu, perfeito e inebriante na mesma medida que frio e calculista. Não sei como mas tu atravessaste o meu ser e destruíste todas as minhas defesas com promessas de amor e as frases que eu sempre quis ouvir, apenas para abandonar-me neste vazio em que me perco. Eras o meu alento nos últimos dias em que me reconstruía e conseguiste deixar-me mais despadaçada do que alguma vez estive.

quarta-feira, agosto 05, 2020

O melhor de mim.



 Parecia tudo tão fácil, parecia tudo tão perfeito e por isso cheguei a acreditar que era eu quem sentias no teu peito. A forma como agias, a forma como falavas, aquilo que me transmitias, parecia que me adoravas. Tantos projectos, tantos planos construídos, tantos momentos e tantos sonhos destruídos. Sinto-me insegura, não confio mais em mim. Será que valeu a pena sonhar sozinha? Já não aguento, não entendo, não compreendo, não consigo e lamento tanto. Eu tentei acreditar na tua diferença e guardar-te no meu abraço, mas nunca senti a confiança necessária nem a entrega.  Sinto que tudo o que dizes é mentira, nem sei se alguma vez disseste alguma verdade. Então desperta-se a mágoa dentro de mim ao pensar que foi tudo maldade tua, fazer-me subir aos céus para descer aos infernos com o dobro da velocidade. Como é possível termos terminado assim se eu dei o melhor de mim? Como é que tudo fracassou quando revelei a minha alma sem pudor? Tudo terminou tão rápido como começou, sem razão nem explicação. Há certas atitudes que não consigo entender, sabes? Posso um dia perdoar, mas nunca vou esquecer a dor que depositaste dentro de mim. Espero que um dia consiga esquecer as tuas palavras, o teu toque e o teu sabor e que saibas que entreguei o melhor de mim. Eu sei que dei o melhor de mim.