terça-feira, janeiro 10, 2012

uma pequena lágrima.



Quando choras tão intensamente a ponto de magoar-te a garganta, é certamente o resultado de uma frustração que te aparta a alma ou a sapiência que independentemente do que fizeres ou tentares executar, não consegues modificar nada. Quando a necessidade de chorar urge, quando precisas mesmo de exteriorizar o que sentes, expulsar alguma da pressão que te desgasta a psique - assim é a dor na verdadeira acepção da palavra. Porque,  apesar de tentares incessantemente e com todas as tuas forças e o desejares com todo o calor que ainda te resta no coração, tu simplesmente, não consegues modificar o que te tortura interior e exteriormente. A dor não pode ser removida. Se tiveres uma réstia de sorte, uma pequena lágrima rebelde pode alcançar a superfície e escapar dos teus olhos que estão constantemente banhados em água. Essa lágrima única, tão minúscula, salgadinha, uma gota miscigenada de alívio e medo é uma tentativa desesperada de fuga. Ainda que seja apenas uma pequena gota, é a matéria mais pesada que alguma vez sentiste a deslizar pelo teu corpo.  E, no entanto, não faz uma única coisa para remediar a amaldiçoada situação que te remoi o espirito...

4 comentários:

liliana rodrigues disse...

identifico-me tanto com estas palavrinhas :x
escreves lindamente é claro que segui de volta <3

Sofia ☮ disse...

e tudo o que escrevi acontece mesmo :)
eu também tenho a certeza que sim

Sofia ☮ disse...

quanto ao teu post fofinha, lágrimas, tens de deixar que elas não percorram, não lhes mostres parte fraca fofinha

Maddie disse...

perfeito, sentido, verdadeiro. amei!