sábado, dezembro 17, 2011

menina de emoções fortes.



Sempre fui menina de emoções fortes. Largava o cabelo ao vento e soprava pueris pensamentos que guardava nos recantos da minha alma. Aguardava ansiosamente, debruçada na varanda do meu antigo quarto, por alguém que abracasse o meu coração e nunca o desprendesse. Confidenciava no silêncio da noite, os meus medos ás estrelas e na solidão das paredes que me escutavam, chorava pela ausência de algum ser que me ouvisse.
Mesmo assim, continuava a sonhar com o dia em que um espírito livre se perdesse em mim e guardasse os meus segredos no seu peito como se fossem propriedade sua. Nunca fui menina de perder a esperança e quando entraste de rompante na minha vida, julguei que tinhas resgatado das estrelas os meus desabafos e que irias embrulhar no teu olhar assustado o meu coração e protegê-lo incondicionalmente. Esta alma foi, todavia, apercebendo-se aos poucos que apenas querias apoderar-te dos meus receios e prender-me a ti para não poder pertencer a mais ninguém.
Custou a dor de mil rasgões na dolorida pele, queimada pela contínua exposição a um fogo de uma falsa paixão, mas arranquei-te, nesse maldito momento, todas as palavras entregues naquela solitária madrugada e guardei novamente o coração no peito desfigurado. Enredei a tua deslocada imagem na necessária despedida e abandonei-te no passado.
Esta rapariga continua a ser de emoções fortes. E, ainda acredita que alguém irá, um dia, guardar as suas confidências na alma. Sonha, no entanto, que seja quem a mereça e saiba valorizar o seu frágil e esperançoso coração de menina...

3 comentários:

Ana Isabel Ferreira disse...

sigo :)

Cátia Silva disse...

sigo ( :

Anastasie disse...

adoro o que escreves, as tuas palavras são fortes e intensas completamente.