segunda-feira, dezembro 19, 2011


Ainda que não te possa ter, caio nas redes do desejo que sinto por ti. Sou o tipo de pessoa que perderia o comboio ou o avião para encontrar-me contigo no café. Seria capaz de tomar  um táxi que atravessasse a cidade apenas para ver-te por dez minutos.  Esperaria na rua a noite inteira se achasse que abririas a porta de manhã.  Se me telefonasses e perguntasses se eu queria..., a minha resposta seria sim ainda antes de acabares de formular a pergunta. A minha mente deambula por universos paralelos onde poderiamos ficar juntos. Na minha perspectiva, a linha que divide a imaginação e o desejo é, realmente, bastante ténue.