segunda-feira, novembro 14, 2011

assim, sozinha.



Sentada num canto isolado, em contacto com a Natureza reconfortante, observo o movimento em meu redor. Encontro-me novamente sozinha com os meus pensamentos mas isso já não me esfria a alma como outrora. Fixo o olhar no lago que se mantém estático, de acordo com o que sinto no meu interior. Desta vez, não espero por ninguém. Penso em todas as coisas e em nenhumas. Nesta fria tarde de Novembro, estou em paz comigo mesma e, pela primeira vez em imenso tempo, não sinto saudades. A única companhia de que preciso é música para me acalmar as feridas do passado. Deixo-me invadir por uma brisa serena que me transmite paz e aconchego-me no calor da minha própria roupa. Faz frio no destino onde me encontro mas o mesmo não me incomoda. O tempo que se faz sentir retine nos ossos e faz-me sentir viva. Sorrio para mim própria e lembro-me que a tristeza não me tem acompanhado nestes últimos dias como era hábito. Sinto apenas a falta de um café, algo que decerto não me magoaria o coração. Mas sinto-me tão bem neste mundo, sozinha e sem recordações dolorosas a cortarem-me o peito, tal como acontecia quando estavas por perto. Estou bem assim sem ti; penso eu enquanto deixo-me adormecer neste idílico momento...

1 comentário:

joana m. disse...

amei tanto o teu blog *.* obrigada por seguires, também vou seguir.