sábado, novembro 26, 2011

abrigo


Piso novamente este chão onde outrora conhecemo-nos. Já não possui o mesmo aroma a pairar no ar. As tempestades de emoções que se ergueram naquele dia não são agora visiveis. Este é o lugar que visito sempre que quero falar contigo e tu não estás ao alcançe da minha mão. Voltar ao nosso abrigo mata um pouco a saudade e aquece o sorriso. A verdade amor, a verdade é que estou cansada de morrer um pouco todos os dias. Percorro então os sitios onde foste perdendo pedaços de alma e quase consigo tocar a tua figura. 
Guardo, resignada com o meu triste destino, nesses momentos de pura solidão, os retratos mentais que recolho dos lugares por onde passaste e infiltro-os no cantinho do coração. Quem sabe, lembrando-te nestes devaneios consiga enganar a dor que o teu afastamento provoca e não morra tantas vezes ao dia.