terça-feira, agosto 02, 2022

Tudo Sara com o tempo.

 

 

 

A nossa história terminou da maneira que nunca quisemos. Reformulando, terminou da maneira que eu nunca quis. As juras que me fizeste que não havia mais ninguém e as promessas de que não havia ameaça nenhuma ao nosso amor. Depois, começaram as mentiras, os segredos, as amnésias e, inevitavelmente, as discussões. Ainda guardo as tuas palavras junto ao peito, aquelas em que me disseste que eu era a mulher da tua vida e que nunca irias querer outra alma ao teu lado. Os dias passam por mim sempre iguais e a cada noite eu choro um pouco, tentando esvair de dentro de mim este sentimento inútil que deixaste em mim. Deste-me a tua palavra "não te preocupes com ela", eu não a quero, quero-te a ti", no entanto é ela que vê o teu sorriso neste instante, és tu o seu parceiro de todos os momentos. Disseste-me que nunca irias embora, que nunca me partirias o coração e que nunca me abandonarias, no entanto aqui estamos nós. Eu permaneço aqui despedaçada pela tua ausência enquanto tu colas-te em perfis imundos e mundanos. Como pudeste ser tão descuidado com o meu coração? Eu avisei-te que ele era extremamente frágil. Tu tentas entrar e sair do meu peito como se o mesmo fosse um hotel onde permanecesses apenas quando te é conveniente. Não te permito este vaivém. Não admito que sejas este rodopio de emoções. Não aceito partilhar-te com o mundo e depois refugiar-te nos meus braços. Não. Mil vezes não. Nunca fui suficiente.  Jamais seria suficiente perante a tua fome de conhecer o mundo.  Deixa-me desprender do amor que eu nunca quis sentir. Permite-me ficar longe de ti que esgotas a minha vontade de existir sem essa presença magnética. Esquece-me. Dá-me permissão para que te esqueça também. Espero um dia conseguir sentir um pouco menos. Cada noite menos lágrimas. Cada dia menos angústia enredada no olhar até um dia voltar a ser livre. Como pudeste ser tão descuidado com o meu coração?





domingo, julho 24, 2022

Uma dose de saudade.

 

 

Eu sinto tantas saudades tuas, não vou dizer que não sinto. É óbvio, como  poderia não sentir? Sinto falta do teu carinho, da tua protecção, da forma provocadora como olhavas para mim, dos teus sorrisos joviais. Claro que eu sinto a tua falta, falta de quando tinhas tempo para mim, quando eu estava presente nos teus pensamentos, falta de sentir-me prioridade. Não vou mentir, ás vezes passo horas olhando para as tuas fotos e pergunto-me se o erro foi meu ou se isto estava destinado a acontecer, uma maravilhosa história de amor que nunca teria um final feliz. Sinto falta da tua voz, do teu riso, até mesmo dos momentos em que ficavas irritado comigo. Lembro-me de tantas coisas, nunca fui de esquecer de nada e no que toca a ti, está tudo aqui, memória por memória.  Momento por momento. Cada conversa, os conselhos, os abraços, as brincadeiras, os beijos intensos, as vontades. Eu lembro-me. Eu sinto falta de ir dormir e acordar com a certeza que acordaria com uma mensagem a dizer "bom dia amor". Há quanto tempo perdemos isso? Há quanto tempo não me sinto a pessoa importante que julguei que era? Deste-me carinho, as melhores madrugadas, levaste-me a conhecer os sítios mais lindos e românticos, mas também deixaste-me um grande vazio no peito, um buraco negro. Eu não desisti da pessoa incrível que és, não esqueci nem pretendo, mas neste momento só estou tentando viver um dia de cada vez sem a pessoa que eu amo. E confesso, está muito difícil...

quarta-feira, julho 20, 2022

Mergulho nocturno.

 

 

 

 Deixámos de existir no nós que criámos. As palavras fecharam-se dentro de mim e não chegam mais a ti. E o que eu faço agora? Esqueço tudo o que planeámos? Eu não sei o que fazer com os planos do nosso futuro destruído. Devo transformar tudo em nada? Mas deixarmos de ser nós e passarmos a ser tu e eu não significa que nunca existimos. Se somos agora passado, remete ao presente que fomos. Mas a verdade é que eu não consigo aceitar que tudo o que existe acaba um dia. Tudo acaba por muito que eu não queira. Mesmo que deseje com toda a força do meu coração que as coisas sejam eternas, o abandono cola-se sempre á minha sombra. O que doeu com uma força nunca antes igual foi quando deixámos de falar. Na madrugada, quando desligaste a chamada e deixaste-me sozinha nas ruas da cidade a chorar, o peito quase abriu sobre mim embrenhado na dor dilacerante. O que se passa na tua mente? Eu realmente não signifiquei nada para ti? Eu nunca pensei que tivesses coragem de ignorar tudo o que vivemos juntos. Sabias perfeitamente o quanto eu te amava e o quanto as tuas acções teriam consequências e eu jurava que o que tínhamos era único, mas mesmo assim isso não te impediu de partir-me o coração. E o pior é que eu estaria a mentir a mim mesma se dissesse que fiquei surpreendida, apesar de ter tido muito medo de estar certa, mas infelizmente eu estava. E agora, extremamente decepcionada, eu preciso pensar em tudo o que eu queria fazer se algum dia deixássemos de ser nós. Eu nunca imaginei que iria sentir-me tão destroçada mas sei que serei forte para lidar com toda a dor que o meu coração rejeitado acarreta neste momento. Apesar de tudo, eu jamais conseguiria odiar-te e peço-te agora que sigas o teu caminho. Mesmo tendo sido tu  a pessoa que me arrasou de uma forma cruel, eu não consigo esquecer a pessoa que mais amei na vida.