sábado, junho 07, 2014

Esquecer-te.




Perguntaste-me se te tinha esquecido e o meu coração definhou como se de uma ténue folha de papel se tratasse. Os sentimentos nele contidos desde que me recordo da minha instável existência, estremeceram ao sentirem-se confinados a um espaço tão restrito, tendo em conta a sua dimensão. Não sei se tens consciência, mas esquecer o teu semblante foi impossível, apagar do meu ser todos os sentires que sempre causaste em mim, eliminar todas as palavras, sensações, estados de alma que ficaram gravados na minha mente, igualmente impossível foi. Estes sentimentos, mesmo guardados num coração danificado, nunca poderiam cessar de existir porque hoje sei que esquecer alguém como tu não é exequível e se me perguntarem como sei, digo que o sei porque tentei imensas vezes até sentir-me exausta, mas apagar-te definitavamente do meu coração e da minha alma, não consegui e desconfio que algum dia conseguirei fazê-lo...

1 comentário:

Raquel Neves disse...

E quando achamos que esquecemos, eles lembram-se outra vez.