sexta-feira, março 29, 2013



Liguei o rádio e deixei a música embalar-me as recordações em simultâneo com as lágrimas quentes que teimavam em deslizar pela face. Escolhi a canção mais triste que conhecia, e, ao mesmo tempo, que me lembrasse de ti. Chorei horas e horas, incapaz de reconhecer a alma que costumo ser, chegando ao ponto de soluçar. Relembrei, com uma dor lacinante a estrangular-me o coração, momentos que já estavam sendo esquecidos, diálogos que trocámos surgiram no meu subconsciente. Não consegui escapar, estava presa nas memórias de um passado tão recente que apenas me trazia dor e sofrimento. Nesta mesma noite, queimei as tuas fotografias, deitei fora os teus presentes e apaguei o teu número, erradamente denonimado como "amor" da minha lista telefónica. Não era, decerto, a melhor solução para esquecer-te definitivamente, mas era o começo de algo.

1 comentário:

Raquel Neves disse...

Lindoooo. E cortante!