segunda-feira, janeiro 23, 2012

eu fico bem.



Continuo á espera. O tempo passou e eu desprendi-me das suas mãos e permaneci aqui, sentada no cantinho que alberga todos os meus medos e esperanças. Daqui, consigo orientar todos os destinos e analisar todos os corações que entram e saiem. Estou sozinha como sempre mas não me importo e raramente interrompo o silêncio com lamentos despropositados. Aguardo por uma companhia que seja verdadeira e que me prove valer a pena abandonar a solidão em que sempre estive imersa. Sou paciente e digo ao meu interior que, com o passar do tempo, as recordações serão diferentes e a amargura que geralmente se encosta em mim, será apenas uma parte inolvidável de um passado que já não me atormentará. Sou alma incompreendida mas não suplico por quem me perceba. Peço apenas que, se não for para mudar o meu destino com vocábulos sinceros e sentimentos eternos, deixem-me quedar neste cantinho, resguardada pela ausência de ruído e de afectos que me destruam novamente o coração. Eu fico bem.