domingo, maio 12, 2013

(Amar)gura





Naquele momento, quis jogar o coração ao alto e com este gesto, desejei ardentemente que os sentimentos nele contidos se extinguissem de forma definitiva. Quis, verdadeiramente e sem pudor algum, esquecer o teu nome e o sabor dos teus beijos venenosos que mentiram a cada gotícula de saliva que trocámos. A raiva que dentro de mim ardia, enquanto as ondas do mar continuavam a seguir o seu incessante rumo, toldava-me a visão e distorcia-me os sentires de um modo indiscritivel, a ponto de se tornar quase impossível concentrar-me em algo que não fosse a mágoa que me causavas. O amor que eu sentia, tornou-se por segundos num ódio que me consumia desenfreadamente e juro que agradeci a mim mesma por não teres cruzado o meu caminho enquanto o meu interior era carcomido pelas tuas palavras. As lágrimas ferveram dentro de mim mas recusaram-se a deslizar pelo meu rosto incapazes de ajudar esta alma em sofrimento a acalmar uma dor que aumenta gradualmente, dia após dia. Afinal, tudo o que eu sempre quis foi sentir-me amada e respeitada, objecto de um sentir avassalador que me arrebatase pelos pés e me fizesse sensoriar uma espécie de paraiso. Queria sentir o fervor de um amor correspondido que me tornasse plenamente feliz e terminasse com as raizes de uma angústia que sempre esteve plantada no meu cerne. No entanto, continuo a ser vitima de uma agonia violenta que me destrói o amâgo e causa dores piores que uma dor física, tornando-me numa alma amarga e sem vontade de inalar o oxigénio que se apodera sem permissão dos seus pulmões. Se o amor consiste nisto, porque devo eu continuar a seguir por este caminho?

1 comentário:

Sayuri Okamoto disse...

Amar(gura) um sentimento lindo e puro, se tornando o verdadeiro, mas ele em sim pode consistir várias formas de sentir, às vezes nem tão boas, e uma delas que seja a de amargura, um sentimento estranho, que pesa toneladas, que complica sua vida, que não distingue o seu pesar, só se sente o que não quer, e o que quer, apenas se esvai...

Num todo, amargura, se tornando um sentimento pesado, um indicio do facto de não se querer mais, o de um sentimento que nos afasta do que queremos, às vezes acontece por razões certas...

abraços ♥