sábado, janeiro 21, 2012

secreta esperança.


Os meus pensamentos, principalmente aqueles que se enredam no traiçoeiro tempo, têm sido constantes nestes últimos dias. Os suspiros que guardo no peito fazem-se ouvir e o sorriso ilumina-me o rosto. Trocámos apenas meia dúzia de palavras banais por dia, mas o que sentimos queda-se por explicar. Sonho agora com o dia em que andaremos pelas ruas da cidade de mão dada, trocando carícias enquanto as nossas peles entram em combustão espontânea. Imagino os lábios que se irão tocar no silêncio da noite e as línguas sequiosas que encontrarão conforto uma na outra. Os abraços serão longos e eternos, entregues no molde perfeito que criaremos em conjunto. Os sorrisos serão simultâneos e os movimentos coordenados. Os vocábulos serão diferentes e aquecer-me-ão a alma fatigada de sentir-se incompreendida, solitária. Perco-me nesta quimera e sonho acordada com o dia em que poderei dizer que tenho o teu amor, o teu carinho, o teu sorriso, o teu toque, a tua pele a roçar na minha. O teu olhar desprotejido entretecido no meu a sussurrar que a nossa semelhança é o que nos aproxima tanto neste querer que nos extravaza os corações outrora vazios. Quero-te tanto neste jogo que criámos enquanto não ganhamos a coragem necessária para jogarmos letras, silabas um ao outro sem ser por meio de indirectas que só nós compreendemos. A alma está mesmo esperançosa, sabes? Acredita que podes ser tu, finalmente a aconchegar-me as inquietudes, a ninar-me nas noites frias com a tua voz que me torna estremecente. Suspira pelo dia em que os teus esguios dedos deslizarão pela sua transparente superfície e expulsarão todos os medos e receios. Todos os pavores e angústias. O meu espírito, unindo-se ao coração, ao sangue tingido e a cada osso do meu corpo, rumoreja por acreditar que esta ilusão poderá um dia ser real. Agoniza nesta incerteza de sentires o mesmo e implora, sussurando brandamente, que me dês um sinal. Espero por ti porque és o que o meu tronco me exige. Aguardo em silêncio que ganhes coragem para colares os nossos corações neste sentir que nos engana o desejo e faz-nos querer mais um do outro. Porque no meio de tantas incertezas, tudo o que ouvi dizeres-me, foi soprado levemente pelos teus secretos e ardentes olhos...

1 comentário:

Sayuri Okamoto disse...

tão inspirador e sereno, realmente me senti nesse texto lindo e emocionante...


beijos ♥