segunda-feira, dezembro 12, 2011

guardo palavras [no peito].



Queria, de alguma forma, reter o olhar no teu quando os mesmos se encontram neste jogo que me prende a esta cruel dúvida. Gostava de despir esta timidez que me acalenta a cada momento a alma e impede-a de retorquir. Se eu pudesse colocar-te pequenas palavras nas mãos sem que tivesse de explicar como as deixei ali, decerto o faria. Falta-me a coragem para chegar a ti e dizer como gosto dessa penetrante forma que tens de captar a minha atenção. E se me equivoquei na forma como li os teus sinais? E se interpretei de forma errada as palavras que me entregaste por seres mais corajoso que eu? Tenho medo de tornar este coração numa amálgama de recusas se destruires os meus sonhos. Eu guardo tantas palavras no meu peito e parece-me que elas se multiplicam de cada vez que te vejo. A cada dia que passa, tenho mais e mais para te dizer. E não consigo. Ora bolas, porque não consigo eu expressar o que me vai na alma sem ser por meio de palavras perdidas neste cantinho que não existe em ti? Juro-te que pensei em variadas maneiras para demonstrar que também perco o meu olhar em ti, que causas devaneios no meu intimo e que gostava mesmo de tentar ser mais contigo, mas tenho medo. Ainda não sou forte o suficiente para deixar que um não ressoe aos meus fragilizados ouvidos e o receio que sinto aperta-me a alma num pânico que me faz fugir de ti e esmagar os vocábulos que queria depositar nas tuas mãos...

3 comentários:

cláudia disse...

está tão bonito (: *

Maria Viana disse...

adoro !
estou a seguir , dá uma olhada pelo meu se quiseres :)
xoxo*

allmota disse...

e o teu? awsome (: também te sigo (: