sábado, fevereiro 09, 2013

Tu e eu.



Sinto-me segura nos teus braços. Sinto-me bem enredada na nossa insegurança e nos nossos receios. Estou perdida dentro deles. Espero que compreendas. Todos os nossos medos e problemas, completam-se. Encaixam-se perfeitamente nos moldes uns dos outros. E é uma sensação extraordinária saber que existe algo que se enquadra perfeitamente sem termos que nos esforçar para que isso aconteça. As nossas diferenças, acredito que estão apaixonadas. Flutuam como raios leves de amor que crescem gradualmente á medida que aprendem gentilmente a conhecerem-se. Um amor que se alimenta de compreensão. Os nossos atritos, são tão reais. Os meus e os teus. São como pessoas. São indíviduos inteligentes que vêm simplicidade em tudo e que fecham os olhos a desejos forçados e tolos. Vamos fechar os olhos em conjunto, meu amor. Ver o que queremos ver. Porque as pessoas que estão fora de nós mesmos, estão magoadas. Estão despedaçadas e cobertas por cicatrizes invisiveis. Há sempre tanto que fica por dizer... por isso vamos sentar-nos em silêncio e deixá-las pronunciarem-se. Vamos conceder-lhes um dia ou dois para sentirem-se mais seguras. Dar-lhes-emos tempo para que se sintam protegidas nas seguranças umas das outras. Gostavas que isso acontecesse?
Sabes, eu estou repleta de medo no meu interior. Estes perfeitos e indescritiveis eventos, não acontecem comigo. Tenho pavor que as minhas inseguranças não te deixem entrar. Tenho medo que elas te assustem. Acima de tudo, além de tudo, estou apavorada com a ideia de que decidas fugir de mim. Por favor, não fujas sem mim... Porque tu és indescritivelmente perfeito. Em todos os sentidos da palavra, eu vou fazer com que isto dure eternamente.
TU E EU. Teu e meu. Podemos ficar aqui para sempre... e ser inseguros juntos?

1 comentário:

Ana disse...

Que texto lindo :)