domingo, fevereiro 05, 2012


Eu tentei. Concentrei todos os meus afectos partilhados e entreguei-os a outros seres.  Guardei na palma da minha mão todas as minhas inseguranças e escondi-as para que os meus fragmentos não fossem perceptíveis. Fi-lo na esperança de encontrar alguém que fosse semelhante a ti mas não fosses tu. Tentei esquecer os teus beijos, a ternura da tua pele, o toque único dos teus dedos a percorrer a minha face, o teu aroma, os teus olhos, o teu rosto. Os meus sentimentos apenas aumentaram. E doí. Não consigo explicar por palavras a intensidade desta dor que me toma o peito sempre que recordo o teu nome. E, apesar de tudo o que me ocultaste e o quanto me fizeste sofrer nas tuas mãos, eu não consigo odiar-te. Detesto sentir-me assim e ser tão fraca ao ponto de não conseguir de maneira alguma esquecer-te e, logicamente, tudo o que representas, mas não tenho culpa se este tolo coração insiste em amar-te... 

6 comentários:

silver disse...

amei!

maria. disse...

Lindo, amei.
Quando se ama, é impossível contrariar o nosso coração.

- MartaRibeiro * disse...

Lindoooo !

Cath disse...

adoro adoro tudo o que tens aqui. preciosidades, acredita.

daniela fernandes disse...

estás com o blog tão bonito :))

Bruno Gaspari disse...

É o amor incondicional!
Mais cedo ou mais tarde
a gente o experimenta rs
Adorei o conteúdo do post;)

beijão