domingo, novembro 21, 2010

Pensares de ti


" Tenho noites de pensar que só o teu amor me salva. Depois noto que estás longe e volto a chorar sem que ninguém repare. Enlaço as mãos uma na outra e espero uma força que não chegará nunca. Eu também quero fugir e – tenho dias – consigo negar-me até à exaustão. A seguir logo me canso de tentar ser adulta e caio sem remédio no chão. Hoje não estavas aqui para me amparar. Tu que não entendes nada e pressentes tudo. Sinto-me pequena só de perceber que – para ti – sou frágil, transparente e triste. Talvez seja mesmo assim. Acredito que os teus pequenos olhos tão grandes vêem o que sou. E sei que não há paixão num sorriso que se cala em compreensão. Nem amor numas mãos que tremem. Ainda assim – é em ti que quero descansar a minha inquietação. "

Sem comentários: