sexta-feira, agosto 17, 2007

Magoa-me...


Magoa-me o facto de não sentires a minha falta. Magoa-me o facto de todos os momentos que passei contigo não terem significado para ti. Magoam-me as mensagens que não me mandas, os toques no telemóvel que não me dás, os e-mails que não me escreves. Será que não entendes ou não reparaste que deixei de te enviar mensagens, de te dar toques no telemóvel e até de te escrever e-mails?
Os e-mails que te escrevia, sem dúvida, eram o mais importante. Cada e-mail que te escrevi era um pedaço de mim que eu te dava. Será que não consegues entender isso? Será que não estranhas o facto de ter deixado de o fazer? É porque nunca entendeste o verdadeiro significado que cada palavra que te escrevia tinha para mim.
Tudo o que te escrevi levava um pedaço da minha alma. Será que também não foste capaz de entender isso. Apenas tentei que entendesses as minhas atitudes e o quanto eras importante para mim. Acho que nunca quiseste aceitar isso.
Nunca tiveste a capacidade de me dizer o que sentias. Continuo a achar que teria sido mais simples para mim que tivesses dito logo que apenas me vias como amiga. Em vez disso, preferiste manter-te em silêncio...
Hoje menti-te. Não está tudo óptimo comigo. Muito pelo contrário. Em relação a ti, nunca esteve nada bem. Mas é verdade que a minha vida já não depende de ti. Apesar de não haver nenhum conflito entre nós, ainda existe um conflito comigo e com o que sinto por ti. Pensei que já te tinha quase esquecido, não só porque agora não penso tanto em ti como por agora fazer toda a minha vida sem que faças parte dela. Enganei-me. Ainda sinto algo por ti, diferente do que senti em tempos, mas ainda me afectas. Bastaram meia dúzia de palavras tuas, sem qualquer intenção, para que me fosse de novo abaixo.
Voltei a pensar em tudo o que fiz. Voltei a pensar no longo percurso que percorri desde que te conheci. Voltei a pôr em causa as minhas atitudes e a passar-me pela cabeça o que teria acontecido se eu tivesse agido de outro modo. Voltei a pensar nisso apesar de ter plena consciência de que tais pensamentos não abonam a meu favor. Rapidamente, dei por mim a expulsar todas estas suposições. Não! Não me arrependo do que fiz. Mas ficarei para sempre com a incógnita de um outro caminho que optei por não seguir.
Bolas! Porque tudo é tão complicado!? Porque não tiveste a capacidade de, no momento acertado, me dizeres tudo ou então de te deixares levar pelos sentimentos, que continuo sem perceber se algum dia foram mútuos ou não. Acho que nunca saberei se o que sentia também te tocava a ti. Alturas houve em que senti, quase que com toda a certeza, que não te era indiferente. Mas do que me serve pensar nisso agora. Não tem qualquer intuito.
Agora, sei que mesmo que, eventualmente (e sei que não o farás - sinto-o), viesses ter comigo e percebesses que não deverias ter posto barreiras ao que sentia por ti eu não te receberia de braços abertos. Agora não! Tiveste a tua oportunidade no momento oportuno. Agora seria tarde demais. Não direi que não te aceitaria nunca mais. Mas, de certeza, não seria de animo leve e com tanta facilidade com que julgas.
Isto são só suposições. A oportunidade de termos algo que partilhar já passou. Não haverá mais nada entre nós. Sei disso. Sinto-o.

2 comentários:

BTK. disse...

Passei e passo pelo mesmo. Trocava tudo por esse sentimento de reijeição.

Ana disse...

Q textos lindos. fico espantada, escreves mesmo bem , muita forcinha :)