sábado, maio 13, 2006

Ausencia



Agora estou sozinha, angustiada, eu diria até desesperada por não poder estar contigo...e sei que não há nada que eu possa fazer para te puxar para o meu lado! Sei que neste momento preferes estar longe de mim e por mais que isso me magoe não te vou forçar a nada...
Sei que ninguém me compreende por isso escolho manter-me calada, as palavras morrem na minha boca, gravadas no epitáfio indecifrável que nem eu propria consigo ler... escrevo a inscricão lugrebe em tua lápide com o teu próprio sangue para que não contamines mais ninguem a não ser tu próprio! Quem sabe assim percebes como me sinto ao te provar?
Os beijos jamais dados entre nós gravam-se agora na minha mente como fincados no mais profundo dos solos, recusam-se a ser derrubados por uma qualquer brisa mais forte que se aventure por estes lados... as palavras que o meu coração sempre ansiou que pronunciasses torturam-me ao passar de cada minuto, cada infindável momento que não te vejo é um dilacerar de sonhos e ilusões que não passam disso mesmo, ilusões infundadas ás quais nem uma ligeira esperança foi atribuida!

Estas palavras, gostava tanto de partilhá-las com alguém.. mas com quem? Assim calo-me e deixo que as mesmas corroiam o meu ser, já deveras corroido pela dor da tua ausência...

Sem comentários: